Professora Zezita Matos é homenageada pelo UNIPÊ - UNIPÊ
29/04/2019 14:23 pm

Professora Zezita Matos é homenageada pelo UNIPÊ

A professora e atriz Zezita Matos foi homenageada pelo UNIPÊ pelos seus 40 anos na casa. A oportunidade ocorreu no dia 24/04, quando o Centro Cultural IPÊ passou a se chamar Centro Cultural IPÊ Professora Zezita Matos, com a revelação de uma nova placa para o local.

Durante os anos de serviço na Instituição, Zezita contribuiu com todos os processos que envolvem a educação, além de ter sido professora do UNIPÊ. Como atriz, possui várias premiações e teve passagens nacionais e internacionais pelo cinema, teatro e, inclusive, pela televisão.

Presente na oportunidade, a Profa. Dra. Mariana de Brito Barbosa, Pró-Reitora Acadêmica do UNIPÊ, classificou Zezita como a “primeira dama” do educar e do ensinar. Mariana lembrou que Zezita foi a professora pioneira na coordenação do antigo curso de Pedagogia e Letras, “base de todo processo educacional”.

Ademais, assumiu outras ações e estruturas pedagógicas que nortearam e ainda vigoram no UNIPÊ, a exemplo do bem sucedido projeto integrador, grande diferencial de qualidade na formação, que esta instituição ostenta”, afirmou a Pró-Reitora Acadêmica.

 

Segundo Mariana, os anos pelos quais Zezita passou no UNIPÊ foram marcados pelo esforço em aliar a “formação de atitudes, valores e habilidades que ampliam o universo cognitivo, convergindo a arte e a cultura para o desenvolvimento humano no ambiente universitário”, considerou. “Sua energia, forma de ver o mundo e de brilhar os olhos diante das ações educacionais, fazendo-as acontecer, mesmo diante das adversidades, plantaram sementes e transformaram processos”, declarou.

Já o gestor responsável pelo Centro Cultural IPÊ Professora Zezita Matos, Prof. Me. Luís Miranda, mencionou a fortaleza, o vigor, as ações e os contributos de Zezita comparando-os com o mandacaru, símbolo de resistência do Nordeste brasileiro: “É isso que faz o mandacaru: resiste, vive e se enche de água (por dentro!) para depois se consumar em dois gestos belíssimos: florescer e servir de alimento. É belíssima a flor de mandacaru! Tem sido assim também a sua vida! Como mulher, mãe, atriz e professora sua vida foi florescer e ‘nutrir’. Derrubando preconceitos, abrindo novos caminhos e gerando esperança… qual flor de mandacaru!“.