VIII Sapiens reforça troca de experiências e propõe momentos de reflexão - UNIPÊ
31/07/2019 10:53 am

VIII Sapiens reforça troca de experiências e propõe momentos de reflexão

Mais do que ministrar aulas e mediar o processo de conhecimento, foi preciso pensar no que faz alguém ser um professor ser o que ele é: um agente de transformação social. Esse foi o intuito da VIII Semana de Atualização Pedagógica – Sapiens do UNIPÊ com a temática Docência: entre o ser e o fazer, promovido pela Pró-Reitoria Acadêmica – Proac do UNIPÊ entre os dias 15 e 19 deste mês.

A pró-reitora acadêmica do UNIPÊ, Profa. Dra. Mariana de Brito, comemorou o fato desta edição aliar as emoções com a prática docente. “Este ano é especial porque não focamos apenas em metodologias, técnicas ou métodos do aprender, mas também olhar no para si mesmo e em como desenvolver e aprimorar aspectos socioemocionais desse ser que é tão importante para o processo de transformação social”, disse Mariana.

 

Entre o ser e o fazer

 

Não foi a primeira vez que a Profa. Ma. Ana Sandra Fernandes, de Psicologia, participou da Sapiens. Para Ana, a Sapiens simboliza um grande espaço de mudanças e, nesta edição, fez um processo de formação diferenciado ao colocar professores da casa para ministrar as atividades. “É muito rico para a gente”, considerou Ana Sandra. “As pessoas vão estar passando um pouco o que sabem e aprendendo com os seus colegas de trabalho um pouco também”, complementou a docente.

Na noite de abertura do evento, o Prof. Me. Walter Travassos, de Sistemas para Internet do UNIPÊ, ministrou uma palestra com a temática central da VIII Sapiens. Segundo ele, além das técnicas, é preciso se pensar na saúde psíquica dos professores, algo que perpassou não só a sua palestra, mas a maioria do evento. Em sua palestra, Travassos deu direcionamentos da neuroeducação e da neurociência. “Podemos aplicar em sala de aula para que tenhamos um aluno mais envolvido, mais engajado e mais feliz”, colocou.

A transformação das pessoas em prol de uma sociedade melhor é um dos papéis dos educadores. “A gente tem um papel, não é somente um executor de tarefas, um transmissor de conteúdos, é para além disso, é uma perspectiva de formar os sujeitos na linha da cidadania. É preparar futuros profissionais competentes nas suas respectivas áreas, mas, sobretudo, sujeitos melhores para uma sociedade melhor”, lembrou a Profa. Ma. Rayanne Santos Alves, de Enfermagem, que ministrou a palestra O resgate do ser docente.

 

 

Em tempos de estresse, ansiedade e síndrome de burnout (esgotamento pelo trabalho), o Prof. Me. Aluízio Lopes de Brito, de Psicologia, propiciou um debate com a temática Saúde emocional: prevenir o ruim, potencializar o bom e construir o bem. “Nós precisamos voltar um pouco no tempo para entender a relação que nós estabelecemos com o tempo e com o mundo do trabalho, porque as emoções são a nossa dimensão instintiva, e ela recebe os impactos diretos daquilo que vem de fora de nós, daquilo que está no mundo”, discorreu o docente.

A apresentação de trabalhos na modalidade TED, semelhante ao TED Talks, foi uma novidade nesta edição, o que proporcionou dinamicidade na apresentação dos melhores Relatos de Boas Práticas dos docentes. Um deles foi um trabalho de professoras de Fisioterapia, cujo relato foi sobre a aproximação das redes de Saúde do Unipê junto à 18 crianças com microcefalia por Zika Vírus atendidas na Instituição. O atendimento é feito também pelos cursos de Fonoaudiologia, Enfermagem e Odontologia.

O trabalho tem autoria da Profa. Ma. Sheva Castro, Profa. Dra. Meryeli Dantas, Profa. Ma. Carla Fechine e Profa. Dra. Elma Soares. “Consideramos que percorremos um belo caminho na construção do cuidado integral a essas crianças e suas mães e que ainda temos muito a melhorar e contribuir para o cuidado interprofissional”, disseram as docentes. “Nosso próximo passo como ação social é pensar em como inserir essas crianças no ambiente escolar, capacitando as famílias e os profissionais que as estarão acompanhando”, concluíram.

 

Educação: trabalho e construção

 

As atividades da VIII Sapiens proporcionaram debates diversos. Foi o caso do Prof. Dr. Luiz Henrique Amaral, reitor da Universidade da Cidade de São Paulo – UNICID e da Universidade Cruzeiro do Sul (SP). O reitor refletiu sobre o Enade e indicadores para uma combinação estratégica. “A ideia da professora Mariana foi que apresentasse essa palestra sobre indicadores de qualidade Enade e planejamento estratégico para apresentar aos coordenadores a evolução dos resultados ao longo dos últimos anos”, explicou.

Num dos Encontros de Coordenadores, a elaboração do Projeto Pedagógico de Curso – PPC foi abordada pela diretora de Regulação na Cruzeiro do Sul Educacional, Profa. Dra Inês Confuorto, e pela assessora da Diretoria Adjunta de Regulação, Profa. Dra. Patrícia Leite. A palestra traçou perguntas sobre quais os objetivos dos cursos para os alunos, o perfil profissional e a necessidade desse documento ser transparente para toda a comunidade.

 

Um aluno que entra num determinado curso ele sabe onde procurar, ele sabe qual vai ser a trilha de aprendizagem dele no curso”, disse Inês, ressaltando a transparência dessas informações. O PPC é também elaborado pelo Núcleo Docente Estruturante junto ao coordenador de curso.

É um documento extremamente importante não como um registro do que se faz, mas sim com o que se pretende fazer na formação daquele aluno”, considerou Patrícia. O PPC, segundo a docente, é constantemente revisado, repensado e atualizado. Para Inês e Patrícia, a receptividade das pessoas presentes no encontro foi calorosa e afetuosa.

Outras discussões propostas no evento perpassaram temas como gamificação participativa, uso de dispositivos móveis para o aprendizado, avaliação formativa e o futuro das profissões.