Medicina finaliza I Mostra de Artes do Projeto Quíron - UNIPÊ
04/12/2018 16:31 pm

Medicina finaliza I Mostra de Artes do Projeto Quíron

Após 21 dias de exposição, o curso de Medicina do Unipê finalizou a I Mostra de Artes do Projeto Quíron. A atividade que incentivou a produção artística dos estudantes do curso aconteceu de 9 a 30 de novembro, no Centro Cultural IPÊ, e premiou três trabalhos de destaque. A premiação ocorreu na última sexta-feira, 30 de novembro, quando duas estudantes e um professor, os mais bem votados na opinião popular, receberam certificados de menção honrosa pelos seus produtos artísticos.

Depoimentos dos vencedores

Primeiro lugar na opinião do público, Beatriz Ávila tem 21 anos e está no primeiro período do curso. A estudante apresentou o trabalho intitulado “Tons da Vida”, um projeto no estilo “arte reborn”, conforme explicou a aluna. “É uma arte que eu gosto demais. Ela foi trazida da Alemanha na época da Segunda Guerra Mundial e se difundiu para o mundo inteiro, sendo mais forte na Europa. São bonecos hiper-realistas. Tem todo um trabalho de camada de pele, de vascularização, dos ossos, etc”, detalhou.

Para Beatriz, o primeiro lugar foi um reconhecimento a todo o esforço e amor que ela dedica a essa arte. “Eu gosto e admiro muito o trabalho que realizo, então fiquei muito feliz com o primeiro lugar”, pontuou. Ao seu lado, sua mãe, Maria Cynara Moreno, revelou o orgulho de ver a filha ficar em primeiro lugar. “Ela tem a veia artística do pai. Para mim, não é uma simples vitória da minha filha, é uma vitória muito especial”, comentou, emocionada.

O segundo lugar ficou com a estudante Esther Queiroz, do P2. A aluna ganhou a colocação com a obra “Talking”, uma pintura repleta de luzes e cores que, segundo ela, é fruto de uma curiosa inspiração. “Uma chuva de inspiração surge do nada. Eu passei dois anos bem travada, mas recentemente tenho ficado muito inspirada. O ‘talking’ foi uma inspiração de uma série que assisti e essa é uma cena que me marcou muito, principalmente pelas luzes”, disse a estudante, que expôs três quadros na Mostra. “Para mim, a arte é uma forma de dar um tempo para mim, em meio à rotina exaustiva de estudos”, comentou.

 

Esther Queiroz

O terceiro lugar da exposição ficou com o professor da disciplina de Fisiologia Raphael Nóbrega e sua obra “Casa no Lago”. Segundo o artista, foram necessários dois meses para fazer a tela, que é uma pintura de tinta a óleo. “Trabalhar com óleo é complicado. Você não pode movimentar todos os dias, tem que dar descanso. Cada vez que eu ia pintar, pintava um pedacinho, o que me estressava um pouco, mas a vontade de me desafiar era maior. Isso é uma questão de terapia, mas de desafio também, algo parecido com o curso de Medicina. Você optou por fazer algo, se predispôs a isso. Às vezes a gente quer correr dele, mas tem algo mais forte que é o desejo de se desenvolver e a gente vai, encarando desafios aqui e lá fora e pintando, construindo, crescendo”, declarou. 

Raphael Nóbrega

Certificação

Todos os estudantes que expuseram trabalhos durante a Mostra receberam certificação de expositor, com uma carga horária de 20h. Os trabalhos premiados com 1º, 2º e 3º lugar na votação do público receberam, além do certificado de expositor, uma certificação de menção honrosa equivalente a mais 10h de Atividades Complementares. Todos os alunos visitantes da Mostra receberam 2h de Atividades Complementares.

Coordenação destaca importância

Conforme a professora Cristiane Perez, coordenadora adjunta do curso de Medicina do Unipê, a Mostra reflete a busca pelo desenvolvimento de habilidades e atitudes que despertem a sensibilidade na atuação dos futuros médicos no mercado profissional. “Como médico, o aluno precisará demonstrar sensibilidade no atendimento, no lidar com o outro, no autocuidado, então nada mais apropriado a gente trabalhar esse sentimento”, comentou.

Por meio do projeto Quíron, segundo Perez, a ideia é auxiliar os estudantes na reflexão com relação a eles mesmos. “Buscamos auxiliá-los nessa reflexão e nesse despertar: como podemos nos cuidar mais? Afinal de contas, você precisa estar bem para cuidar do próximo”, pontuou.

Projeto Quíron

De acordo com a professora Edjanece Romão, psicóloga e supervisora do Naped/Medicina, o projeto Quíron tem surpreendido a cada ação. “A expressão da arte é um cuidado à saúde mental, além da valorização, do despertar da autoestima dos alunos, descobrimos que temos diversos talentos no curso”, disse.

A professora pontuou a importância do desenvolvimento de ações que estimulem os estudantes. “Temos um curso integral, muito intenso, pesado, uma carga de estudo muito grande. Isso leva a um processo de adoecimento. Eu tenho participado de vários congressos representando o Unipê e todos trazem a temática da importância dos cursos de Medicina terem esse suporte emocional para o estudantes. O projeto Quíron vem com essa proposta, de trabalhar arte, corpo, mente e religiosidade”, finalizou.

Fonte: Assessoria de Comunicação - ASCOM